Revista Viver Goiás

Regina Duarte interpreta e dirige peça ‘A Volta ao Lar’, de Harold Pinter

Com apresentação no Teatro Goiânia de 3 a 5 de maio

Regina Duarte interpreta e dirige peça ‘A Volta ao Lar’, de Harold Pinter, que será apresentada no Teatro Goiânia de 3 a 5 de maio
A peça fala de disputa de poder, ciúme entre irmãos, desejos proibidos, carências afetivas, envelhecimento e solidão. Caim e Abel, Édipo, as Vestais do Templo Grego e Eros são referências no explosivo lar desta família.

A consagrada atriz Regina Duarte, uma das mais importantes intérpretes brasileiras da televisão, teatro e cinema, é a diretora e personagem da peça A Volta ao Lar, adaptação da obra do escritor britânico Harold Pinter, vencedor de um prêmio Nobel de Literatura em 2005. A Volta ao Lar coloca em cena uma família inglesa órfã de mãe, composta pelo pai açougueiro Max (Igor Kowalewski), os filhos Lenny (Rodrigo de Castro) e Joey (João Carlos Filho) e o tio Sam (Ivan Bellangero). Eles são homens à deriva, brutalizados e carentes de uma figura feminina.
Depois de muitos anos estudando e lecionando filosofia nos Estados Unidos, Teddy (Mauricio Agrela), o primogênito do clã, faz uma visita inesperada ao lar de sua família, acompanhado por Ruth (Regina Duarte), sua mulher e mãe de seus filhos. Ruth é um mistério que o feminino encerra e que a direção pretende preservar, cultuar, proteger. A presença feminina provoca alterações impensáveis naqueles homens.

Harold Pinter
O dramaturgo, diretor, ator, poeta e roteirista inglês Harold Pinter (1930-2008) é um dos autores contemporâneos mais premiados do mundo. Entre seus inúmeros títulos estão nada menos do que o Nobel de Literatura de 2005 e o prêmio Companion of Honour da Rainha da Inglaterra. Ele é considerado um dos ícones do Teatro do Absurdo, ao lado de Samuel Beckett e de Eugène Ionesco.
Pinter escreveu 29 peças de teatro. Entre as mais conhecidas estão Festa de Aniversário (1957), O Porteiro (1959), Traição (1978) e A Volta ao Lar (1964), todas adaptadas para o cinema. A Mulher do Tenente Francês (1981), dirigido por Karel Reisz; Um Jogo de Vida e Morte (2007), dirigido por Kenneth Branagh e O Mensageiro (1971), condzido por Joseph Losey, têm roteiros assinados por Pinter.

Regina Duarte
Regina Duarte assinou sua primeira direção em 1974 no Especial A Cartomante, de Machado de Assis, na TV Globo. Dirigiu, ainda na TV, dois episódios do seriado Joana (1984): O Fruto Verde, de Alcides Nogueira, e o especial SOS Solidão, de Caio Fernando Abreu. A Volta ao Lar é sua terceira direção no teatro. Em 2012/2013 dirigiu Raimunda, Raimunda!, de Francisco Pereira da Silva, e em 2014/2015 A Volta para Casa, de Matéi Visniéc, que inaugurou o Núcleo de Estudos de Dramaturgia e Interpretação de Texto (NEDI), coordenado por ela desde 2013. O núcleo tem a proposta de construir um banco de textos de dramaturgia de qualidade e promover pesquisas de formas de interpretação.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Regina Duarte interpreta e dirige peça ‘A Volta ao Lar’, de Harold Pinter

Regina Duarte interpreta e dirige peça ‘A Volta ao Lar’, de Harold Pinter, que será apresentada no Teatro Goiânia de 3 a 5 de maio
A peça fala de disputa de poder, ciúme entre irmãos, desejos proibidos, carências afetivas, envelhecimento e solidão. Caim e Abel, Édipo, as Vestais do Templo Grego e Eros são referências no explosivo lar desta família.

A consagrada atriz Regina Duarte, uma das mais importantes intérpretes brasileiras da televisão, teatro e cinema, é a diretora e personagem da peça A Volta ao Lar, adaptação da obra do escritor britânico Harold Pinter, vencedor de um prêmio Nobel de Literatura em 2005. A Volta ao Lar coloca em cena uma família inglesa órfã de mãe, composta pelo pai açougueiro Max (Igor Kowalewski), os filhos Lenny (Rodrigo de Castro) e Joey (João Carlos Filho) e o tio Sam (Ivan Bellangero). Eles são homens à deriva, brutalizados e carentes de uma figura feminina.
Depois de muitos anos estudando e lecionando filosofia nos Estados Unidos, Teddy (Mauricio Agrela), o primogênito do clã, faz uma visita inesperada ao lar de sua família, acompanhado por Ruth (Regina Duarte), sua mulher e mãe de seus filhos. Ruth é um mistério que o feminino encerra e que a direção pretende preservar, cultuar, proteger. A presença feminina provoca alterações impensáveis naqueles homens.

Harold Pinter
O dramaturgo, diretor, ator, poeta e roteirista inglês Harold Pinter (1930-2008) é um dos autores contemporâneos mais premiados do mundo. Entre seus inúmeros títulos estão nada menos do que o Nobel de Literatura de 2005 e o prêmio Companion of Honour da Rainha da Inglaterra. Ele é considerado um dos ícones do Teatro do Absurdo, ao lado de Samuel Beckett e de Eugène Ionesco.
Pinter escreveu 29 peças de teatro. Entre as mais conhecidas estão Festa de Aniversário (1957), O Porteiro (1959), Traição (1978) e A Volta ao Lar (1964), todas adaptadas para o cinema. A Mulher do Tenente Francês (1981), dirigido por Karel Reisz; Um Jogo de Vida e Morte (2007), dirigido por Kenneth Branagh e O Mensageiro (1971), condzido por Joseph Losey, têm roteiros assinados por Pinter.

Regina Duarte
Regina Duarte assinou sua primeira direção em 1974 no Especial A Cartomante, de Machado de Assis, na TV Globo. Dirigiu, ainda na TV, dois episódios do seriado Joana (1984): O Fruto Verde, de Alcides Nogueira, e o especial SOS Solidão, de Caio Fernando Abreu. A Volta ao Lar é sua terceira direção no teatro. Em 2012/2013 dirigiu Raimunda, Raimunda!, de Francisco Pereira da Silva, e em 2014/2015 A Volta para Casa, de Matéi Visniéc, que inaugurou o Núcleo de Estudos de Dramaturgia e Interpretação de Texto (NEDI), coordenado por ela desde 2013. O núcleo tem a proposta de construir um banco de textos de dramaturgia de qualidade e promover pesquisas de formas de interpretação.

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Parceiros

Publicidade

Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )