Revista Viver Goiás

Os 130 anos de Cora Coralina

Poetisa foi homenageada com o Prêmio Mulheres Empreendedoras 2018, que na ocasião recebeu sua neta Célia Bretas Tahan.

Com Amor Fotografia

Ana Lins dos Guimarães Peixoto, conhecida como Cora Coralina, nasceu na cidade de Goiás, em Goiás, no dia 20 de agosto de 1889.  Cursou apenas até a terceira série do curso primário. Começou a escrever poemas e contos quando tinha 14 anos. Cora tornou-se doceira para sustentar os quatro filhos. Viveu por muito tempo de sua produção de doces, se achava mais doceira do que escritora. Aos 75 anos conseguiu realizar o seu sonho de publicar o primeiro livro, "O Poema dos Becos de Goiás e Estórias Mais". Em 1976, foi lançado seu segundo livro "Meu Livro de Cordel" pela editora Goiana. Recebeu elogios do poeta Carlos Drummond de Andrade. Nos últimos anos de sua vida, sua obra foi reconhecida e foi convidada para participar de conferências e programas de televisão. Cora Coralina foi homenageada com o título de Doutor Honoris Causa da UFG. Foi eleita com o "Prêmio Juca Pato" da União Brasileira dos Escritores, como intelectual do ano de 1983, com o livro “Vintém de Cobre: Meias Confissões de Aninha”. Cora Coralina faleceu em Goiânia, Goiás, no dia 10 de abril de 1985. E deixou um legado de sabedoria que serve de referência para todas as mulheres.

Em Março de 2018 Cora Coralina foi homenageada pelos Jornalista Brenno Alves e Leonardo Arruda com a Entrega do Prêmio Mulheres Empreendedoras. Na ocasião sua neta Célia Bretas Tahan recebeu a homenagem.

"Cora deixou ensinamentos e inspiração para todos nós goianos", enfatiza os Jornalistas. 

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Os 130 anos de Cora Coralina

Ana Lins dos Guimarães Peixoto, conhecida como Cora Coralina, nasceu na cidade de Goiás, em Goiás, no dia 20 de agosto de 1889.  Cursou apenas até a terceira série do curso primário. Começou a escrever poemas e contos quando tinha 14 anos. Cora tornou-se doceira para sustentar os quatro filhos. Viveu por muito tempo de sua produção de doces, se achava mais doceira do que escritora. Aos 75 anos conseguiu realizar o seu sonho de publicar o primeiro livro, "O Poema dos Becos de Goiás e Estórias Mais". Em 1976, foi lançado seu segundo livro "Meu Livro de Cordel" pela editora Goiana. Recebeu elogios do poeta Carlos Drummond de Andrade. Nos últimos anos de sua vida, sua obra foi reconhecida e foi convidada para participar de conferências e programas de televisão. Cora Coralina foi homenageada com o título de Doutor Honoris Causa da UFG. Foi eleita com o "Prêmio Juca Pato" da União Brasileira dos Escritores, como intelectual do ano de 1983, com o livro “Vintém de Cobre: Meias Confissões de Aninha”. Cora Coralina faleceu em Goiânia, Goiás, no dia 10 de abril de 1985. E deixou um legado de sabedoria que serve de referência para todas as mulheres.

Em Março de 2018 Cora Coralina foi homenageada pelos Jornalista Brenno Alves e Leonardo Arruda com a Entrega do Prêmio Mulheres Empreendedoras. Na ocasião sua neta Célia Bretas Tahan recebeu a homenagem.

"Cora deixou ensinamentos e inspiração para todos nós goianos", enfatiza os Jornalistas. 

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Parceiros

Publicidade

Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )