Revista Viver Goiás

Imóveis em Goiânia começam a produzir sua própria energia elétrica a partir do sol

Instituição gera sua própria eletricidade por meio de energia solar

Legislação atual permite que imóveis produzam sua própria energia. Aproveitando potencial solar do Estado, Seconci Goiás, implanta uma mini-usina fotovoltaica na sua sede no setor Jardim América, em Goiânia. Geração de energia será suficiente para suprir consumo da entidade.  

Numa época em que o risco de um colapso em relação ao uso dos recursos naturais parece estar cada vez mais próximo, o discurso de um consumo consciente e sustentável tem deixado de estar presente só entre os ambientalistas e virado uma preocupação diária das pessoas e empresas. Por isso o Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2009, instituiu no Brasil a data de 15 de outubro como o Dia do Consumo Consciente, para despertar na sociedade a atenção à questão socioambiental.

Goiás possui um grande potencial, pois está dentro do chamado cinturão do sol. Em Goiânia, o Seconci Goiás (Serviço Social da Indústria da Construção no Estado de Goiás) resolveu aproveitar esse enorme potencial e implantou em sua sede no Jardim América, em Goiânia, uma mini-usina fotovoltaica para gerar sua própria energia elétrica a partir dos raios do sol.

O sistema, que começou a ser implantado há cerca de cinco meses, deve entrar em operação nesta semana. O presidente do Seconci Goiás, Célio Eustáquio de Moura,  informa que o foco da iniciativa é a sustentabilidade, tanto econômica quanto do meio ambiente. “Essa atitude nossa vai proporcionar economia financeira, mas também vai poupar recursos naturais do planeta, pois a energia solar é renovável e não causa poluição”, declara.

O uso de matriz energética de fontes renováveis tem aumentado a cada dia, seja em grandes ou pequenas escalas No Brasil, os investimentos nesta forma de geração de energia, entre junho de 2017 e junho deste ano, cresceu 1.300%, segundo dados do Ministério de Minas e Energia. Segundo informações do Atlas Solarimétrico Brasileiro, praticamente todo o Estado de Goiás está localizado no chamado “cinturão do Sol”, ou seja, faz parte de uma das regiões com o melhor potencial para geração de energia solar no Brasil.

A mini-usina fotovoltaica do Seconci Goiás é composto por 200 módulos fotovoltaicos de silício policristalino, cuja potência é de 270 WP, visando contribuir para a preservação do meio ambiente, produzindo energia limpa para seu consumo. O início de seu funcionamento aguarda somente a interligação com o medidor bidirecional do sistema da Enel que possibilitará, conforme a Resolução Normativa da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) nº 482/2012, a mini e microgeração distribuída, ou seja, a energia excedente gerada pela central fotovoltaica será inserida na rede da concessionária elétrica, retornando como crédito na conta da instituição.

Tarifa mínima
De acordo com o presidente do Seconci Goiás, todo o investimento feito vai ser pago em menos de três anos e, com a produção planejada, a instituição deverá pagar no final do mês apenas a tarifa mínima para a concessionária de energia, revertendo os recursos para sua atividade fim, que são os serviços na área de medicina, segurança do trabalho e assistência social.

Além da instalação das placas para produção da energia solar fotovoltaica, o Seconci Goiás desenvolve diversas atividades que visam contribuir com a questão energética. “Estamos desenvolvendo um projeto de eficiência energética que será submetido à Enel em breve. Além disso, já substituímos parte das nossas lâmpadas por LEDs, que auxilia na redução do consumo e ainda orientamos todos os nossos colaboradores para o consumo consciente com ações práticas no dia-a-dia, como desligar as lâmpadas ao se retirar do ambiente, fazer uso responsável do ar-condicionado, etc.” revelou.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Imóveis em Goiânia começam a produzir sua própria energia elétrica a partir do sol

Legislação atual permite que imóveis produzam sua própria energia. Aproveitando potencial solar do Estado, Seconci Goiás, implanta uma mini-usina fotovoltaica na sua sede no setor Jardim América, em Goiânia. Geração de energia será suficiente para suprir consumo da entidade.  

Numa época em que o risco de um colapso em relação ao uso dos recursos naturais parece estar cada vez mais próximo, o discurso de um consumo consciente e sustentável tem deixado de estar presente só entre os ambientalistas e virado uma preocupação diária das pessoas e empresas. Por isso o Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2009, instituiu no Brasil a data de 15 de outubro como o Dia do Consumo Consciente, para despertar na sociedade a atenção à questão socioambiental.

Goiás possui um grande potencial, pois está dentro do chamado cinturão do sol. Em Goiânia, o Seconci Goiás (Serviço Social da Indústria da Construção no Estado de Goiás) resolveu aproveitar esse enorme potencial e implantou em sua sede no Jardim América, em Goiânia, uma mini-usina fotovoltaica para gerar sua própria energia elétrica a partir dos raios do sol.

O sistema, que começou a ser implantado há cerca de cinco meses, deve entrar em operação nesta semana. O presidente do Seconci Goiás, Célio Eustáquio de Moura,  informa que o foco da iniciativa é a sustentabilidade, tanto econômica quanto do meio ambiente. “Essa atitude nossa vai proporcionar economia financeira, mas também vai poupar recursos naturais do planeta, pois a energia solar é renovável e não causa poluição”, declara.

O uso de matriz energética de fontes renováveis tem aumentado a cada dia, seja em grandes ou pequenas escalas No Brasil, os investimentos nesta forma de geração de energia, entre junho de 2017 e junho deste ano, cresceu 1.300%, segundo dados do Ministério de Minas e Energia. Segundo informações do Atlas Solarimétrico Brasileiro, praticamente todo o Estado de Goiás está localizado no chamado “cinturão do Sol”, ou seja, faz parte de uma das regiões com o melhor potencial para geração de energia solar no Brasil.

A mini-usina fotovoltaica do Seconci Goiás é composto por 200 módulos fotovoltaicos de silício policristalino, cuja potência é de 270 WP, visando contribuir para a preservação do meio ambiente, produzindo energia limpa para seu consumo. O início de seu funcionamento aguarda somente a interligação com o medidor bidirecional do sistema da Enel que possibilitará, conforme a Resolução Normativa da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) nº 482/2012, a mini e microgeração distribuída, ou seja, a energia excedente gerada pela central fotovoltaica será inserida na rede da concessionária elétrica, retornando como crédito na conta da instituição.

Tarifa mínima
De acordo com o presidente do Seconci Goiás, todo o investimento feito vai ser pago em menos de três anos e, com a produção planejada, a instituição deverá pagar no final do mês apenas a tarifa mínima para a concessionária de energia, revertendo os recursos para sua atividade fim, que são os serviços na área de medicina, segurança do trabalho e assistência social.

Além da instalação das placas para produção da energia solar fotovoltaica, o Seconci Goiás desenvolve diversas atividades que visam contribuir com a questão energética. “Estamos desenvolvendo um projeto de eficiência energética que será submetido à Enel em breve. Além disso, já substituímos parte das nossas lâmpadas por LEDs, que auxilia na redução do consumo e ainda orientamos todos os nossos colaboradores para o consumo consciente com ações práticas no dia-a-dia, como desligar as lâmpadas ao se retirar do ambiente, fazer uso responsável do ar-condicionado, etc.” revelou.

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Parceiros

Publicidade

Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )